Empreendedorismo

Por que deveríamos ensinar empreendedorismo nas escolas?

23/11/2016 • por meuSucesso .com

As pessoas não são treinadas para levar seus empreendimentos adiante

O mundo acadêmico e o empresarial ainda estão longe de se complementarem no país, por geralmente serem visões unilaterais que geram insatisfação de ambas as partes”. Esta é a visão de Sueli Fernandes, gerente de inserção profissional da Fundação MUDES, instituição sem fins lucrativos que há 50 anos promove e integra os jovens no mercado de trabalho.

No entanto, esse panorama pode mudar. Há um projeto de lei (PLS 772/2015) em tramitação no senado que pretende inserir o empreendedorismo como tema transversal nos currículos dos anos finais dos ensinos fundamental e médio, além de colocar a disciplina como diretriz dos conteúdos curriculares da educação básica, ao lado da orientação para o trabalho. Atualmente, está na relatoria da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado.

O Global Entrepreneurship Monitor de 2015 mostra que, no ano passado, 52 milhões de brasileiros com idade entre 18 e 64 anos, ou 40% da população nessa faixa etária, trabalharam na criação ou na manutenção de um negócio. O problema é que as pessoas não são treinadas para levar seus empreendimentos adiante. No Brasil, quando 25% das pequenas e médias empresas completam dois anos de atividade, o negócio termina. E quando as sobreviventes chegam a cinco anos de operação, esse índice ultrapassa a margem de 50%.

Um dos motivos que justificam as mazelas na qualificação dos empreendedores é a falta de incentivo para abrir sua própria empresa desde os tempos da escola. Sueli acredita que a inclusão do empreendedorismo no ensino traria benefícios aos estudantes, pois, para ela, o ensino tem que estar alinhado com as exigências de mercado.

“As empresas bem estruturadas incluem, no perfil solicitado, candidatos empreendedores. Diferentemente do passado – quando empreender significava apenas ter a intenção de abrir seu próprio negócio –, agora, é importante empreender na sua própria carreira, na sua vida em geral e, ainda, empreender em novas ações na organização”, afirma.

De acordo com Sueli, os indivíduos com o perfil empreendedor tendem a valorizar o planejamento e a visão estratégica, características fundamentais e amplamente valorizadas nas organizações.

Sueli acredita, ainda, que outras disciplinas, como Sociologia e Filosofia, sejam fundamentais para o currículo básico. “As disciplinas são distintas e cada uma tem sua relevância. Não devem ser excludentes”, justifica.

Conteúdo Administradores.com

Experimente por 7 dias grátis

Aprenda sobre vendas no meuSucesso.com. Experimente por 7 dias grátis.

Comentários