Empreendedorismo

E se aprendêssemos educação emocional e liderança na graduação? - por UAM

19/06/2015 • por Universitários Acima da Média (UAM)

Será que o sistema de ensino no Brasil, em geral, não está se esquecendo de algo?

Estamos padronizados a aprender durante os anos de faculdade várias matérias, para ao final sairmos formados como especialista na área escolhida. Dizem que depois desse tempo, estaremos aptos a nos declarar professores, médicos, advogados, contadores, enfim, estaremos "prontos" para enfrentar o mercado de trabalho.

E se aprendêssemos educação emocional, criatividade, liderança, autoestima, entre outras habilidades, como matéria durante a faculdade? Parece brincadeira, não é mesmo? Mas você já parou para pensar na qualidade do conteúdo que pagamos todos os meses para as universidades?

Temos, na verdade, um acúmulo de informações para que ao final de cada mês possamos tirar a média na prova e passarmos para o próximo semestre. E será que aprendemos de verdade? Já imaginou se junto aos principais conteúdos tivéssemos o desenvolvimento dessas habilidades?

Vejamos a importância delas para a nossa vida acadêmica e profissional:

1 - Educação Emocional: é o aprendizado para o controle das suas emoções. Sem o desenvolvimento de uma inteligência emocional, seus resultados irão ser profundamente afetados pelo descontrole das suas reações.

2 - Criatividade: é a base para a inovação. É preciso se reiventar para não cair na procrastinação. No entanto, a criatividade se desenvolve na prática, estimulando a criação.

3 - Liderança: é possível desenvolver as principais características da liderança, não apenas com teorias, mas na prática. A liderança é uma importante habilidade para tomar coragem e escrever a sua história. Com mentoria, as qualidades essenciais serão lapidadas ou aperfeiçoadas.

4 - Autoestima: é preciso acreditar em você mesmo, no seu potencial realizador de transformação, e essa crença não consegue ser construída na passividade. A autoestima influencia nas atitudes e na sua capacidade de realização.

Entre outras habilidades importantes para a vida, sabemos que somos treinados para a formação e, logo, seguirmos como empregados, ou seja, é um sistema que já está há muito tempo padronizado, fazendo com que a cada  semestre os jovens saiam prontos para o abatedouro (mercado de trabalho), e troquem todo seu potencial por uma estabilidade.

Desafiar os jovens a se auto conhecerem é o primeiro passo no alinhamento do seu propósito de vida, e por meio da transformação de suas mentalidades nós conseguiremos formar jovens empreendedores para a sociedade.

Mas, afinal, até quando esse sistema de ensino permanecerá nesse quadrado?

Não sabemos. Então, vamos pensar fora da caixinha e criar/participar de projetos que nos capacitem e nos deem oportunidade de mudar essa realidade.

Seja um universitário, mas acima da média!

Comentários

Quem escreve

Universitários Acima da Média (UAM)

CEO em Universitários Acima da Média

Somos uma equipe de jovens universitários diferenciados (54 Membros em 15 Estados) ,famintos por conhecimento e conteúdo fora da sala, buscando incansavelmente a mudança dentro de nós, e logo, mudando o mundo. Queremos provocar, inspirar, capacitar e conectar jovens universitários através do desenvolvimento de uma mentalidade empreendedora

POR Universitários Acima da Média (UAM)

Não se esqueça do principal objetivo da sua empresa: VENDER

0 0
POR Universitários Acima da Média (UAM)

De analista de sistemas a vendedor de doces

2 0
POR Universitários Acima da Média (UAM)

Treinar e treinar, repetir e repetir vale mesmo a pena?

1 0