Empreendedorismo

Empreendedorismo no mercado de games

24/07/2015 • por meuSucesso .com

Não é só entretenimento. Segmento tem crescido e impactado até outras áreas

O mercado de games tem crescido bastante no Brasil. Só em 2014, gastamos 1,2 bilhões em jogos eletrônicos em diferentes plataformas e a previsão é de que este mercado cresça 15% anualmente no país, o dobro que o estimado para o mercado global, criando um cenário perfeito para quem deseja iniciar um negócio na área. E um dos motivos para esse crescimento no país é a força de novos empreendedores nacionais que têm apostado na área.

Bastante plural, o mercado não se restringe apenas a aparelhos e jogos tradicionais. Os empreendedores Fábio Nascimento e Glaucia Gregio, por exemplo, souberam aproveitar o momento e lançaram um sistema de pagamentos para jogos virtuais, a E-Prepag, e também a Habbo, moeda utilizada no mundo virtual. A primeira empresa funciona como uma operadora de câmbio que permite a troca de dinheiro virtual por reais.  Para se ter ideia, a E-Prepag movimentou quase 32 milhões de reais em 2013.     

Não é só entretenimento

A E-Prepag é apenas um exemplo de como os games estão ganhando espaço. Essas startups ligadas a jogos digitais não estão apenas gerando emprego e renda, mas também promovendo a inovação tecnológica e compensando anos de atraso. Além disso, são impulsionadoras de outros setores da economia criativa, como a publicidade, ou setores de Recursos Humanos. Estima-se que 70% das 2.000 maiores empresas do mundo usem jogos eletrônicos para treinar seus funcionários e fazer campanhas para aumentar a produtividade no trabalho. 

Na educação

A educação também faz um uso positivo dos jogos. Professores acreditam que os games aumentam a interação do aluno e facilitam o aprendizado, assim, editoras que produzem material didático estão cada vez mais interessadas em desenvolver produtos que assimilem a tecnologia.

O mercado

De acordo com levantamento do BNDES, as empresas brasileiras de games estão concentradas, majoritariamente, em São Paulo, que é seguido pelos estados do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. Na região Nordeste, Pernambuco se destaca pela existência do Porto Digital, que agrega diversas empresas de tecnologia. Campina Grande, na Paraíba, também é outro centro importante. 

 “A indústria de jogos digitais está passando por uma transformação disruptiva, o que abre espaço para novos entrantes de países sem tanta tradição”, afirmou o pesquisador Luiz Sakuda, que participou do estudo do BNDES. Ele lembra que possuímos bons cursos para formação em jogos digitais. No entanto, os profissionais mais experientes e especializados estão trabalhando no exterior.

O mercado de trabalho

“O mercado de trabalho apresenta desequilíbrio entre a oferta e a demanda. Ao mesmo tempo em que as empresas do setor sofrem com a carência de profissionais experientes, os profissionais recém formados em cursos específicos do setor sofrem com a baixa oferta de posições”, diz o estudo do BNDES.

O público

Se antes os usuários de games eram considerados majoritariamente jovens do sexo masculino, hoje essa amostragem abrange crianças muito pequenas, mulheres e até idosos. 

Novos dispositivos

Outro fator que abriu espaço para o uso dos jogos digitais foi a ascensão dos smartphones, tirando a restrição imposta pelos consoles e abrindo espaço para diferentes usuários.

Conteúdo Administradores.com especial para o meuSucesso.com.

Comentários

Leia também