Empreendedorismo

O lado B do Empreendedorismo

21/01/2015 • por Sofia Esteves

Antes de empreender temos que estar cientes do que nos espera

Pare e olhe ao seu redor.  Quantas pessoas você conhece que começaram seu próprio negócio recentemente? Quantas fizeram uma revolução na carreira, deixaram pra trás uma empresa sólida, os colegas, o chefe e os benefícios, e foram em busca do sonho de empreender?

Segundo o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação), há mais de 17 milhões e 43 mil empresas ativas no país. A grande maioria delas é formada por empreendedores individuais e está concentrada nos setores de Serviços (45,71%) e Comércio (41,31%). 

Porém, há um dado do IBGE que preocupa: a cada 100 empresas que são abertas no Brasil, 48 encerraram suas atividades em até 3 anos. E esse número cresce ainda mais ao longo do tempo. 

Mas afinal, por que as pessoas sonham empreender? Listamos abaixo os principais motivos - aqueles que comumente surgem no discurso de empreendedores:
- Ter a sua individualidade respeitada;
- Não ter chefe;
- Poder definir os objetivos de um negócio e ser o principal responsável pelo atingimento destas metas;
- Fugir das regras e políticas das empresas – não ter que encarar as “coisas chatas”;
- Trabalhar de maneira mais independente, fazer o seu horário e não precisar dar justificativas a ninguém.
- Poder trabalhar e advogar a favor de uma causa, de um propósito.

Sem ter o objetivo aqui de julgar o que é certo ou errado, gostaria apenas de contar um pouco sobre a minha experiência como empreendedora e também compartilhar o que tenho ouvido de amigos que tentaram abrir suas empresas sem necessariamente terem o interesse genuíno em “empreender” no real sentido da palavra. 

Na verdade, muito pouco se fala sobre o lado B dessa empreitada. Empreender não significa ter uma carreira fácil, ficar livre de problemas e só fazer o que se ama. Muito pelo contrário. Quanto mais você cresce como empresário, mais você se afasta das tarefas que lhe dão um prazer enorme. Além disso, o seu faturamento, a sua renda em si, só depende de você. Então,  os desafios de encarar clientes fáceis, complexos, situações de conflito costumam ser ainda mais frequentes nas carreiras “solo”. 

Um bom empreendedor precisa ter alta resistência à frustração. Ele tem que lidar com o incerto, solucionar problemas, assumir responsabilidades variadas e ser versátil para equilibrar os diferentes – e inúmeros – pilares de uma empresa. Gosto sempre de lembrar que o sucesso dos negócios está diretamente relacionado ao quanto seus idealizadores colocaram a mão na massa e transformaram ideias em produtos ou serviços diferenciados.

Empreendedores precisam ser bons líderes, se não de pessoas, deles mesmos.  Quando tudo parece estar perdido, eles não podem contar com a ajuda do chefe – já que optaram por não tê-lo. E é diante das adversidades que muitos profissionais abrem mão do sonho de empreender.

Minha dica é para que você, antes de iniciar seu próprio negócio, pergunte a si mesmo: por que eu quero empreender? Aonde quero chegar? Como vou construir uma empresa, que riscos posso e quero assumir? O quanto estou disposto a encarar obstáculos bastante diferentes da vida de funcionário?
Se encontrar respostas e ainda sentir que é o caminho certo a seguir, pise no acelerador e vá em frente. Se não, é hora de diminuir a velocidade e refletir um pouco mais.  

Todos nós temos a oportunidade de fazer escolhas. E são elas que determinam a dose de realização que teremos – agora e lá na frente. Portanto, não tenha pressa em decidir. Reflita o tempo que precisar e boa sorte!

Comentários

Quem escreve

Sofia Esteves

Presidente do Conselho em Grupo DMRH /Cia. de Talentos

Fundadora e presidente do Conselho do Grupo DMRH, compartilha neste espaço o que há de mais novo em carreira e gestão de pessoas. Ideias, reflexões e tendências para impulsionar o desenvolvimento pessoal dos empreendedores e de sua equipe.