Marketing

A Economia Compartilhada vai “pegar” você e seu negócio

31/03/2016 • por João Kepler Braga

João Kepler, especialista em especialista em Inovação e Convergência Digital do Brasil, ensina como entender e se adaptar a Sharing Economy

Muito se comentou sobre a Economia Compartilhada, principalmente em 2015, ano em que grandes empresas que já nasceram neste formato de negócio ganharam visibilidade e mostraram ao mundo uma nova realidade e forma de negociar que já está presente entre nós. O que você empreendedor precisa saber agora é que independentemente do seu setor ou do seu segmento empresarial, você precisa entender e se adaptar a nova Economia Compartilhada ou Sharing Economy.

Conceitualmente, a Economia Compartilhada é um ecossistema econômico sustentável construído em torno da partilha de recursos humanos, serviços e produtos. Ela inclui a criação, produção, distribuição, comércio compartilhado e consumo de bens e serviços por pessoas e negócios, focados nas pessoas.

Observe que trata-se de uma quebra de paradigma. Sabe por que essa nova economia tem chamado tanta atenção e ganhado cada vez mais espaço no mercado mundial? Porque há séculos tudo é feito da mesma forma quando se trata de varejo e capitalismo mundial, ou seja, o foco se dá em função única e exclusivamente da compra e venda de produtos e serviços. O que muda? Bom, na Economia Compartilhada podemos, por exemplo, vender o mesmo produto por diversas vezes, sem que o comprador obtenha a propriedade do bem. Nesse formato, aquela única transação dá lugar a muitas outras. No modelo tradicional, nós produzimos e vendemos, simples assim.

Os participantes de uma Economia Compartilhada são pessoas, comunidades, empresas, organizações e associações; todos estão em um sistema de compartilhamento altamente eficiente, para que todos contribuam e se beneficiem. São negócios feitos geralmente diretamente entre pessoas e sem intermediários, onde as pessoas estão no centro desta economia.

O consumo colaborativo, a troca de experiências e de serviços específicos, de propriedade compartilhada, aluguel, compra coletiva, passando também pela subscrição, pelo empréstimo, pelo micro financiamento, crowdfunding, crowdsourcing etc.: esses são os principais aspectos e modelos de negócios da Economia Compartilhada.

O exemplo mais popular e conhecido do mercado é o Uber, onde pessoas normais (drivers) dirigem seus próprios carros particulares para outras pessoas usando apenas um aplicativo para conexão e negócio entre elas. Existem outros exemplos: o Airbnb, onde as pessoas se hospedam em casas de outras pessoas sem ter necessariamente que ficar hospedados em hotéis tradicionais; o Zipcar, onde qualquer pessoa pode alugar carros de outras pessoas, sem precisar de uma locadora; imagine jantar na casa de um estranho que preparou a mesa especialmente para você, então veja como funciona o Dinner; conhece o Tripda, o aplicativo que busca caronas para reduzir o custo de seu deslocamento? Que tal pegar uma carona com alguém? Deixe seu carro na garagem.

A Economia Compartilhada promove uma cultura nós, onde a comunidade em geral é considerada o bem maior. Preocupações com saúde, felicidade, confiança, experiências, colaboração, compartilhamento e sustentabilidade são características notáveis nesta economia.

E sabe qual é o principal impacto provocado na sociedade? É a mudança de mindset. Pessoas que operam nesta economia têm a preocupação de criar soluções para problemas específicos, têm consciência nos negócios, compreendem o empreendedorismo social, operam negócios sustentáveis e aplicam conceitos e ética nas empresas.

Teremos muito em breve a popularização deste modelo econômico no Brasil, o que fatalmente vai obrigar os negócios atuais a se adaptarem a este novo e gigantesco mercado. Não espere até você e seu negócio serem “engolidos” para mudar sua postura, afinal já está mais do que comprovado que essas mudanças vieram para ficar. Cabe a você escolher se vai se adequar a elas ou assistir ao sucesso dos seus concorrentes. 

Comentários

Quem escreve

João Kepler Braga

Speaker and Writer em Speaker, Writer, Angel Investor, Lead Partner at Bossa Nova Investments.

Reconhecido como um dos conferencistas mais sintonizados com Inovação e Convergência Digital do Brasil; Investidor Anjo em + 40 StartUps; Premiado como melhor Investidor do Brasil pelo Spark Awards da Microsoft.

POR João Kepler Braga

Cada um tem a sua inteligência

2 1