Gestão

Einstein nas organizações modernas? - por Thatiana Cappelano

17/04/2015 • por Thatiana Cappellano

Veja como a famosa fórmula E=mc² pode se enquadrar dentro de uma empresa

Deixa-me dividir com vocês uma percepção: nunca se falou tanto em engajamento e em liderança. Ora, mais do que o interesse pontual sobre esses dois temas e a importância de ambos para as organizações, está evidente uma verdade (que já está prá lá da hora de ser encarada com seriedade e profissionalismo): Não há engajamento possível sem uma gestão coerente (dos negócios e das pessoas) e, muito menos, sem comunicação interna. 

Claro, a comunicação interna de que estou falando aqui não é aquela da “campanha”. Mas, sim, aquela que é (ou deveria ser!) trabalhada e entendida como o processo estratégico de narrativa da organização, que se dá – somente! – por meio ou dos líderes ou dos canais formais! Afinal, uma empresa não é um ente que tem voz própria: ela só fala quando alguém (no caso o líder) ou algo (os canais de comunicação interna) “falam” por ela. 

Foi ai que me veio a equação de Einstein à mente (como um signo, que irrompe do inconsciente trazendo à tona algum significado): talvez se o pai da física moderna fosse hoje postular sua clássica fórmula da equivalência massa-energia (a famosa E=mc2) observando o mundo corporativo contemporâneo, a explicação dos elementos seria assim: 
E = Engajamento (pretendido)
M = Management (ou seja, a capacidade de gestão dos líderes)
C = Comunicação Interna 
C2 = Cultura Organizacional (o tecido no qual toda organização está imersa)

Somente quando olhamos para esses três elementos – Liderança, Cultura e Comunicação Interna – de forma estratégica, madura e séria (ou seja, sem querer empurrar a sujeira para baixo do tapete) é que conseguimos verdadeiramente alcançar o engajamento pretendido. Quem quer encarar esse desafio?

Comentários

Quem escreve

Thatiana Cappellano

Consultora em Cappellano Marcas, Sao Paulo

Especialista em Semiótica Psicanalítica (estudo da Clínica da Cultura) pela PUC de São Paulo, possui extensão em Comunicação Corporativa pela FGV, sendo bacharel em Relações Públicas pela FAAP. Atua no mercado de comunicação desde 2000. Atualmente é Vice Coordenadora da Habilitação em Relações Públicas da FAAP onde também é Coordenadora e Professora na Pós Graduação em Comunicação Interna. É coautora do livro "Comunicação Corporativa: Imagem e Reputação Favorável" e "Comunicação com Empregados: A Comunicação Interna sem fronteira"

POR Thatiana Cappellano

Gestão e Comunicação para o hoje

3 0