Gestão

O desafio da gestão: a estratégia aplicada na prática - por Adir Ribeiro

13/11/2015 • por Adir Ribeiro

Adir Ribeiro, fundador da Praxis Business, revela o que é preciso para gerenciar bem

O mundo corporativo vem se aperfeiçoando cada vez mais, a tecnologia está mais próxima de um grande número de empresas e pessoas e a inovação passou de diferencial para um importante fator de sucesso nos negócios.

O Brasil entrou definitivamente no radar dos investidores internacionais e isso reflete em diversas oportunidades para os administradores de negócios. Diante desse cenário, é fundamental que as empresas tenham um bom planejamento de negócios para nortear de maneira estruturada suas ações a fim de atingirem os objetivos organizacionais, como, por exemplo, melhorar os resultados, ampliar a participação no mercado, conquistar novos clientes etc.

Segundo Peter Drucker, planejamento é a tomada de decisão antecipada, algo que podemos fazer antes de agir. Pode ser considerado o “plano de vôo” que gera o negócio das empresas, definindo as escolhas e caminhos com o objetivo de atingir uma situação futura. E estratégia, como definição, pode ser considerada como a força principal da empresa para gerar valor.

Clemente Nóbrega, em seu livro “A Ciência da Gestão”, define que estratégia é fazer melhor que seus competidores sendo diferente deles. É ter um modelo de negócios definido e viável, onde se definem as fontes de recursos, os cenários em que a empresa está inserida, prever os caminhos a seguir, avaliar os ambientes e também definir as contingências, identificando a missão, visão, valores, pontos fortes e fracos da empresa, bem como as oportunidades e ameaças do mercado.

Mas somente planejar ou ter uma ou mais estratégias bem definidas não basta: é necessário que os planos “saiam do papel” ou das planilhas financeiras. Oscar Motomura, presidente da Amana-Key, empresa considerada como um centro de excelência em gestão e que tem como uma de suas missões, provocar inovações radicais em gestão, define que “Boas idéias não geram resultados. É a implementação dessas idéias com excelência que gera...”.

A Gestão, nesse contexto, pode ser definida como uma disciplina, ou seja, um conjunto de conhecimentos codificados, cujo foco é a obtenção de resultados. Os americanos definem isso como “management” e sabemos que sempre que temos que tomar uma iniciativa para gerar resultado, precisamos de gestão, ou seja, intervir para que se alcancem os resultados esperados.

Definitivamente complementares entre si, observamos um foco exagerado em somente um dos lados, o que tende a apresentar problemas para a empresa. Tomando como base que Drucker considerou a Gestão como a maior inovação do mundo empresarial do século XX e que cada vez mais o desafio se torna colocar em prática as estratégias desenhadas para toda a organização, identificamos o mesmo nível de importância para a Estratégia e para a Gestão.

Portanto, a gestão deve garantir a implementação do que foi efetivamente estruturado e definido na estratégia, bem como avaliá-la e revê-la constantemente, não permitindo que o planejamento estratégico se torne mais um estudo do “pessoal da alta direção” e que não exista conexão com a realidade do dia-a-dia. Assim, é fundamental para o sucesso de uma estratégia o envolvimento das pessoas que irão atuar na empresa, mantendo-as alinhadas e capacitadas a pensar sistematicamente sobre o futuro, e não somente para agir no presente.

Para garantir que a gestão ocorra de maneira integrada, faz-se necessário que os processos operacionais sejam analisados e definidos, de preferência escritos (formalizados em manuais guias ou conjunto de regras / políticas) para que sejam de conhecimento de todos na organização, afinal, processos são as maneiras pelas quais as coisas são feitas. 

Além disso, é preciso acompanhar e controlar continuamente alguns indicadores, pois existe uma tendência natural de qualquer sistema que envolva pessoas a se desviar do seu caminho original. O monitoramento desses indicadores de desempenho (KPI – Key Performance Indicator) não deve se restringir somente às informações econômicas e financeiras (vendas, resultados, margem, lucratividade etc.), é preciso também que outros aspectos sejam monitorados e corrigidos ou mantidos, como, por exemplo, desempenho de mercado, inovações, tecnologia, logística e outros itens importantes.

Aliar estratégia e gestão se torna o grande desafio para as empresas na busca de criação de valor e de resultados significativos, proporcionando uma atmosfera empresarial vencedora, onde os problemas são encarados como desafios dentro de uma linha definida e as possibilidades do amanhã são construídas ainda hoje. De acordo com José Saramago, “não tenha pressa, mas também não perca tempo”. O momento é agora de revisar seus planos e suas estratégias e avaliar como está a gestão de seus negócios.

 

Comentários

Quem escreve

Adir Ribeiro

Presidente em Praxis Business, São Paulo

Presidente e Fundador Praxis Business Especialista em Gestão Estratégica de Franchising & Varejo, atua há mais de 20 anos nesses mercados. Treinou mais de 50 mil pessoas. É coautor dos livros: Gestão Estratégica do Franchising – Como construir redes de franquias de sucesso e Franchising – Uma Estratégia para a Expansão de Negócios. Colunista e Mentor da Endeavor, Expert do Meu Sucesso.com, Apoiador e Voluntário do Instituto CEO do Futuro (icf.org.br), Consultor Técnico da ABF para a NRF (maior evento do varejo mundial, que acontece em Nova York – EUA), Professor de grandes Escolas de Negócios no Brasil: FGV, FIA/Provar, ABF e Insper.

POR Adir Ribeiro

A "nova era" do Franchising

2 0