Inovação e Tecnologia

Como fazer a gestão de um projeto de forma colaborativa? - Luciana Kimi

23/06/2015 • por Luciana Kimi

Confiar nos seus parceiros de equipe é fundamental para que o projeto ocorra de maneira sustentável

Outro dia fui convidada para dar uma palestra sobre "Como fazer a gestão de um projeto de forma colaborativa” e as questões mais recorrentes são sobre o engajamento dos envolvidos.

No post anterior, comentei sobre o propósito, isto é uma boa dica! Se quer começar a gerenciar de forma colaborativa, pense no propósito do seu projeto.

Mas há outro sentimento que paira nestes grupos onde acontece a tão sonhada colaboração… é a confiança! Não estou falando da confiança tipo: “Confio que você entregará o prometido, etc e tal”, mas sim a confiança no indivíduo, na sua capacidade de resolver o problema, sem as cobranças que podem fazê-lo se sentir, com o perdão da palavra, ladrão, preguiçoso ou displicente.

A linha é tênue, a formação tradicional exige cobranças e índices de controle, porém sem a compreensão devida, torna-se evidente a desconfiança na base da gestão do projeto, pois partimos do princípio que sempre estarão nos roubando quer seja tempo, dinheiro ou bens.

Posso citar um exemplo: em um determinado cliente, onde recebi a incumbência de gerir um projeto de 18 meses, o início era bem sombrio, os diversos envolvidos estavam descontentes com o tratamento que vinham recebendo, não confiavam mais na gestão e havia um agravante, uma contribuição mensal foi estabelecida para que o projeto pudesse ser desenvolvido.

O que foi feito:
- através de um encontro de cocriação, foi identificado o que realmente irritava ou impedia o projeto “deslanchar”;
- a identificação das causas: neste caso foram a falta de transparência financeira e a melhoria comunicação entre os envolvidos;
- a construção da gestão do projeto foi baseada nos pilares identificados;
- encontros mensais foram estabelecidos e o histórico do investimento levantado;
- aplicação exaustiva de tecnologias e apps que facilitam a integração e a comunicação interna do projeto;

O início foi árduo:
- a comunicação foi no início através de grupo fechado no facebook com a adição dos links do projeto, assim todos (diretamente ou indiretamente) podiam acompanhar o desenrolar das atividades;
- depois de um tempo, pelas características dos envolvidos, houve preferência pelo Google Groups;
- retomada constante sobre o assunto investimento financeiro do projeto;
- aplicada a postura de transparência máxima com acompanhamento on-time de todas as decisões tomadas: contratação, compra e contabilidade do projeto;
- responsabilização dos envolvidos respeitando cada expertise;
- empoderamento: possibilidade de escolha de novas lideranças e liberdade para tomada de decisão;
- registro e aplicação das ideias geradas durante os encontros mensais;
- e por fim, a consolidação da relação de confiança entre os envolvidos;

O resultado do projeto:
- reversão do caixa negativo;
- satisfação de todos os stakeholders na entrega;
- conexão, respeito, integridade e comprometimento de todos os envolvidos;

Confiar na capacidade individual de resolução de problemas foi fundamental para que o projeto colhesse os resultados, quem participou sabe!

Comentários

Quem escreve

Luciana Kimi

founder em THEMPERO - cocriação, arte e inovação

É especialista em Gestão Colaborativa, Design de processos e negócios. Entende que a vida é uma prática de constante transformação, por isso mantém o ayurveda como filosofia e a paixão pela dança e pela arte como fontes de inspiração. É mãe de uma menina linda, atualmente seu maior tesouro

POR Luciana Kimi

Quando eu me torno o inimigo

0 0