Inovação e Tecnologia

[WRAP UP] DNA inovador: o que fazer para estimular a inovação empresarial

14/03/2016 • por meuSucesso .com

Veja o que o empreendedor Gustavo Caetano, fundador da Samba Tech, fez para estimular práticas inovadoras em seu negócio

“Era da Mudança”, “Era da Inovação” ou “Século da Informação”. São muitas as formas que podemos definir o momento pelo qual vivemos, em que tudo é tão rápido que é preciso desenvolver uma mentalidade aberta e atenta a todos os tipos de movimento.

Nos dias de hoje, temos acesso a diversas formas de conhecimento espalhadas em formatos distintos, como por exemplo, vídeos, artigos, revistas, sites, entre outros. É difícil absorver tanto conteúdo e saber quais são válidos e importantes para a nossa empresa ou enriquecimento pessoal.

Novos hábitos de consumo, demandas, produtos e serviços surgem a todo momento e já que estamos no “Século da Informação” é preciso saber se utilizar dessa vantagem para estimular a inovação na sua empresa.

Quando informação se transforma em matéria prima para a inovação

A Samba Tech já foi eleita uma das empresas mais inovadoras do mundo, por diversos meios de comunicação.

Seu fundador, Gustavo Caetano, também já recebeu prêmios e, inclusive, está entre os 10 jovens mais inovadores do mundo, de acordo com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) - um dos maiores centros de tecnologia e referência quando o assunto é inovação.

Portanto, é importante fazermos a seguinte pergunta: o que Gustavo fez para criar um negócio inovador? Mas, antes de respondermos esse questionamento, é preciso analisar às origens do empreendedor.

Gustavo, desde pequeno, soube se utilizar bem das informações que recebeu ao longo de sua vida para criar o espírito inovador. A influência da história do de seu avô, que construiu um negócio enriquecedor, mas faliu ao não saber olhar as tendências e inovar, transformou-se em inquietude.

Toda trajetória de Gustavo tem presença marcante de seu olhar apurado e atento às mudanças sempre em busca de novas oportunidades. Desde jovem, investiu na busca de conhecimentos distintos e no compartilhamento de informações e relacionamento com outras pessoas.

Uma orientação que Gustavo segue para a aquisição de conhecimento relevante e inovador é navegar em conteúdos desconhecidos buscando novas fontes. O conceito é buscar referências distintas das que ele domina para expandir seu repertório e adquirir novos conhecimentos necessários para novas soluções.

Assim, Gustavo foge da manada e trabalha pela consolidação de seu próprio caminho. Uma frase de Gustavo é bem simbólica nesse sentido: “quero ver as coisas que ninguém está vendo”.

O que Gustavo fez para criar um negócio inovador?

A formação da Samba Tech tem origem clara nessa perspectiva de procurar as mais diversas fontes de informação, sem se esquecer da relevância do conteúdo.

A empresa foi mapeada em um momento que nenhuma outra organização entendeu os movimentos do vídeo e seus impactos para as organizações de conteúdo.

Um outro exemplo de seu espírito curioso é quando ainda existia a Samba Mobile: Gustavo foi realizar um curso de inovação no MIT e conheceu, ocasionalmente no aeroporto, um professor do Instituto que abriu as portas para a sua empresa ser a única startup brasileira a fazer parte de um programa de intercâmbio na prestigiada universidade americana.

Um pré-requisito para desenvolver uma cultura inovadora é a humildade. Para estarmos abertos ao novo, precisamos ser humildes. Aquele que tem convicção, que sabe de tudo, não dá abertura para adquirir outros conhecimentos. Outro pré-requisito é a simplicidade. As soluções mais sofisticadas são as mais simples. Essa simplicidade facilita sua adoção pelo mercado, pois permite uma comunicação mais assertiva.

O pensamento do dono pode dizer muito sobre a cultura de uma empresa

Abaixo, selecionamos diversas frases de Gustavo para exemplificar o seu pensamento voltado à inovação. Cada comentário traz uma ideia importante, veja:

1."Quando eu criei a Samba Tech, o primeiro estalo que tive foi: alguém não vai querer usar o Youtube"

Aqui fica clara a visão de Gustavo e o quanto ele foi ousado ao ir contra o fluxo. Esse é ums princípios básicos e a frase acima representa muito a ideia: por que não?

Ou seja, por que não pode existir uma empresa que concorra com o Youtube? Essa característica questionadora é importante para Gustavo e, inclusive, é um exercício essencial para uma empresa inovadora. Pense diferente! Neste artigo, você pode conferir mais ideias semelhantes de Gustavo e entender sua postura voltada à solução de problemas.

2."Nós utilizamos a prática: dogfooding. A expressão significa, coma a sua própria comida de cachorro. Isso quer dizer que a própria empresa deve utilizar o que ela mesma já criou"

Algo básico para qualquer empresa que busca a inovação é testar seus produtos e serviços sob a ótica de entregar algo diferente analisando todas as questões mercadológicas que um produto envolve.

Gustavo faz isso e estimula que seus funcionários testem protótipos que eles pretendem lançar, como é o caso de um aplicativo mobile que pretende facilitar a comunicação entre colaboradores e gestores. A versão alpha está sendo testada por sua equipe. Práticas como essa permitem que os funcionários se sintam valiosos e integrados na cultura e objetivos da empresa.

3."Dê poder às pontas: se alguém vem com uma ideia para mim, eu sempre vou estimular que essa pessoa faça testes e valide o que está propondo. dificilmente vou dizer não a ela"

A cultura da empresa demonstra se ela está aberta ao novo. Se ela não permite que seus funcionários proponham mudanças ou sugestões dificilmente ela vai estar aberta a mudar e inovar o seu modelo de negócio. O comportamento e a comunicação interna dizem muito sobre como uma empresa lida com o tema de inovação. Neste artigo, você confere o quanto ouvir os funcionários pode ser importante para a inovação corporativa.

4 princípios das empresas inovadoras

Diversas empresas seguem esses princípios e, muitas delas, são conhecidas no mercado, como é o caso do Google, Netflix e Samba Tech. Tpdas essas empresas se utilizam desses princípios e possuem algumas semelhanças. Confira:

1. A inovação deve ser encarada como uma disciplina. Os responsáveis pela gestão devem ensinar às pessoas a refletirem sobre as suas ideias e alinhar os objetivos e pensamento com os objetivos de negócio.

2. Inovação não deve se limitar a somente um grupo. Não deixe que ela se limite a um departamento ou determinadas pessoas. O envolvimento de toda empresa, das equipes, do estagiário ao gestor, é essencial para que se desenvolva uma cultura inovadora focada na ação. Isso será refletido em novos produtos, serviços, processos, estratégias, modelos de negócios, canais de distribuição e mercados.

3. A inovação deve incluir uma pesquisa organizada, sistemática e contínua de novas oportunidades. Você deve promover uma compreensão mais profunda das mudanças sociais, demográficas e tecnológicas em uma busca contínua de possibilidades futuras. A Shell na divisão de produtos químicos em Houston tem um grupo de observadores de tendências que se espalham pelo mundo à procura de novas tecnologias. Como é que você e sua organização fazem ou buscam seu futuro?

4. O cliente pode ser a voz do futuro.  Estar aberto à inovação é saber escutar o seu cliente. Isso não significa necessariamente que a voz da razão é do cliente. Mas saber ouvi-lo e fazer uma seleção e mapeamento das críticas construtivas fará sua empresa estar atenta às tendências.

Fazendo na prática, no dia-a-dia, a inovação se consolida

Portanto, para fortalecer essa visão, Gustavo acredita que é necessário criar ritos que envolvam toda a organização e mostrem, de forma tangível, o valor da inovação. Um exemplo é o Hack Week, evento interno de incentivo à inovação que acontece anualmente na Samba Tech e incentiva a todos na empresa a apresentarem soluções para qualquer problema mapeado.

O engajamento da equipe com a cultura da inovação também demanda cuidado na seleção de pessoas que tenham os valores alinhados com o DNA da corporação e uma política de transparência com o compartilhamento de todas as informações da companhia para todos incentivando a participação de toda equipe nas principais questões da organização.

COMPONENTES DA AULA

Gostou do Wrap Up? Você encontra ainda mais materiais de apoio no nos anexos deste episódio, como é o caso da aula "Inovação no mundo digital", com o professor Diego Remus, especialista em inovação. Além disso, você também tem acesso ao "Modelo de diagnóstico da inovação”, uma ferramenta que permitirá avaliação do nível de inovação de sua organização por meio da visão de seus colaboradores.

Comentários