Fique Por Dentro

Está no ar o 6º capítulo do Estudo de Caso do Geraldo Rufino

4/11/2014 • por meuSucesso .com

Rufino revela os planos para o futuro

No último episódio do Estudo de Caso de Geraldo Rufino, Sandro Magaldi aborda no TalkShow quais serão os próximos passos desse empreendedor, que se caracteriza pela superação e determinação.

Durante a entrevista, Rufino conta que não se deve aguardar o futuro e, sim, fazê-lo. Segundo o empresário, é preciso criar um sistema de melhoria contínua, em que sempre se procura aperfeiçoar o negócio (nem que seja nos mínimos detalhes), para garantir a continuidade da empresa. “Devemos pensar nos projetos futuros, mas não podemos nos esquecer do presente e isso é passado aos meus colaboradores. Todos sempre pensam em ideias que possam aprimorar o nosso trabalho, nem que seja uma pequena sugestão”.

Rufino afirma que não se preocupa com os concorrentes porque o setor precisa crescer e ter novas companhias que invistam no desmanche legal, já que é possível explorar diversas demandas em um mesmo segmento. Para ele, a concorrência é só uma forma de expandir o setor e não o preocupa porque ele já está consolidado no ramo, além de ser um dos pioneiros.

Como empreendedor, Rufino não deixa de ressaltar a importância dos colaboradores para que os planos sejam consolidados. “O maior patrimônio da empresa sempre é o colaborador. Para você fazer com que seu colaborador acredite nele e pense positivo é necessário dar oportunidade a ele. A minha equipe vai garantir a sobrevivência do meu negócio”, ressalta.

O episódio 6 do Estudo de Caso de Geraldo Rufino também traz a aula “Como profissionalizar o negócio de família”, com o expert Eduardo Najjar, especialista em Gestão de Empresas Familiares e sócio-diretor da Macrotransição, além de ser professor na ESPM, USP, UNICAMP, entre outras. “Os negócios familiares podem são parecidos em diversos países, porque muitas vezes possuem uma estrutura semelhante. A empresa familiar é baseada em três pontos: família, negócio e os donos (proprietários, sócios ou acionistas)”, explica Najjar.

Comentários