Pessoas

Colaborar para que? Para inovar e crescer

6/02/2015 • por Luciana Kimi

Compartilho para aprender, aprendo para inovar e inovo para crescer

Colaborar não é só dar ideias, não é colocar a ficha na caixa de sugestões, não é receber um relatório informativo ou a premiação da super ideia. Colaborar exige interação entre as partes envolvidas, exige protagonismo na construção da solução.

Mas para podermos discorrer sobre o significado, faço a pergunta "O valor está no conhecimento técnico adquirido?” ou melhor "Quem sabe mais sobre um determinado assunto, tem mais valor?”

Provavelmente, a maioria de vocês responderá que sim, e de certa forma há uma razão para isso. Vivemos em estruturas piramidais (lê-se hierárquicas), o topo é “regado” de informações, conhecimento e confidências. Quanto mais eu galgo, mais acesso eu tenho, mais especial e poderoso me torno, pois tenho em minhas mãos algo que vale mais do que o dinheiro, tenho o poder da informação.

Estruturas hierárquicas são estruturas guerreiras, elas competem entre si, por isso a necessidade de se fecharem, excluindo os acessos à internet, emails e até pessoas (nos seus departamentos, andares, prédios, etc), portando o espaço para colaboração é mínimo e em alguns casos, nulo.

Por isso, é tão difícil sair do discurso para o ato. Quando abrimos espaço para a tão falada colaboração, de certo modo, abrimos mão da necessidade de resolvermos tudo sozinhos, temos que olhar para o outro como um igual (o ser humano que ele é) e horizontalizar as relações.

E aí, com o perdão da palavra, é que “a porca torce o rabo”.

O desafio do momento é percebermos, como sociedade, que o compartilhar não é um artigo de luxo para ser colocado nos discursos de marketing ou em workshops  isolados, mas é uma necessidade básica de sobrevivência para as empresas.

Vivemos em um cenário de mudanças, e a velocidade é exponencial, a internet foi o viés técnico que democratizou o conhecimento. No instante que eu tenho uma ideia, centenas de outras pessoas estão tendo a mesma ideia - nosso cérebro funciona em rede, seres humanos se relacionam em rede. Em um mundo altamente conectado, a empresa isolada tende a ficar para trás.

Neste novo desenho, o valor passa a se deslocar novamente: não será apenas o “meu conhecimento individual” acumulado, mas sim “quanto mais eu compartilho, mais cresço”, pois mais preparado estarei para enfrentar o incerto, porque cada vez mais, será mais difícil predizer o futuro. Compartilho para aprender, aprendo para inovar e inovo para crescer.

Comentários

Quem escreve

Luciana Kimi

founder em THEMPERO - cocriação, arte e inovação

É especialista em Gestão Colaborativa, Design de processos e negócios. Entende que a vida é uma prática de constante transformação, por isso mantém o ayurveda como filosofia e a paixão pela dança e pela arte como fontes de inspiração. É mãe de uma menina linda, atualmente seu maior tesouro

POR Luciana Kimi

Deixe as pessoas em paz

0 0