Pessoas

Viver de uma paixão. É esse o único caminho? - por Carol Rezende

31/03/2015 • por Carolina Rezende

É possível montar um negócio baseado em uma paixão? Descubra!

Trabalhar com o que amamos, transformar aquele hobby em um negócio lucrativo, empreender a partir de uma paixão. Quem nunca ouviu ao menos uma, se não todas, essas frases? Quantas vezes minha timeline esteve tomada por uma enxurrada de promessas que nos garantem que é possível viver do que sonhamos. Será que esse é o melhor caminho?

E antes que você pense que estou ficando louca, a reflexão que trago nesse meu segundo texto para o MeuSucesso.com é até que ponto transformar paixão em negócio é viável. E mais, será que o que fascina a mulher empreendedora é ter um negócio em torno da sua paixão ou ter um negócio de sucesso? É claro que, conseguir unir esses dois fatores é lindo! Mas vamos ser francas, trata-se de uma realização que pode dar certo para algumas pessoas, mas não para todas.

Recentemente terminei de ler a Startup de $100, escrito por Chris Guillebeau, e um trecho em especial foi para mim como um soco na boca do estômago. “Na corrida para seguir uma paixão, vários detalhes tendem a ser deixados de fora. Em primeiro lugar você não pode se concentrar em qualquer paixão – você pode ter várias paixões pelas quais ninguém estaria disposto a pagar...Você deve manter o foco em como seu projeto pode ajudar as pessoas e por que elas se interessarão pela sua oferta. Adoro comer pizza, mas duvido que possa criar um negócio em torno dessa minha paixão. Em vez disso, tive de achar alguma coisa mais interessante para o resto do mundo.” Li e reli esse trecho infinitas vezes... Coloquei no meu mural. Pra mim foi como tirar o óculos do amor e passar a ver meu negócio com a lente da entrega, do que eu ofereço, como sou percebida pelo meu público e o que posso desenvolver para impactar essas pessoas. “...preciso achar alguma coisa mais interessante para o resto do mundo.” 

Desafio você a olhar para a sua empresa sob esse novo parâmetro. Como você vem sendo útil para seus clientes? De que maneira o que você oferece facilita a vida de quem está do outro lado? Esse é o valor da sua empresa, concentre-se nele acima de tudo. Quanto mais você gerar valor para seu cliente e focar no que o seu produto ou serviço para melhorar a vida dele, maiores são as chances de estar no caminho certo. Percebe como agora o centro deixou de ser você e sua paixão e passou a ser o outro, diga-se: aquele que faz entrar dinheiro na sua empresa? Mais interessante, certo? Trata-se de dar ao seu cliente o que ele realmente quer e não aquilo que você acha que ele quer.

A grande questão é, se ao responder essas questões eu chegar à conclusão que aquele meu ideal de empresa dos sonhos não é a entrega que meu cliente almeja?

É chegada a hora da verdade. Tenho a mais absoluta certeza que cada uma de nós é dotada de infinitos talentos, alguns mais fortes outros que ainda precisam ser lapidados. E, ao conseguir visualizar a intercessão dessas respostas com nossas habilidades, conseguiremos sim encontrar um caminho saudável para empreender. Pode ser que, ao longo desse processo, tenhamos que encarar a realidade e constatar que aquela nossa paixão não se tornará um negócio. E sigamos em frente. Nosso espírito empreendedor grita mais alto que nossa vaidade e nos reinventa. E, como mulheres que somos, passionais e com aquele brilho único no olho, rapidamente descobriremos novas paixões.

Comentários

Quem escreve

Carol Rezende é publicitária e, ao longo de 12 anos, construiu sua carreira na iniciativa privada, trabalhando na área de telecomunicação e, posteriormente, no Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF. A maternidade despertou a vontade de seguir novos rumos profissionais. Foi quando, a partir da sua própria necessidade, criou o Mulher de Negócio e nele visualizou a oportunidade de alavancar e articular mulheres que vivem os desafios de empreender e que não tinham um espaço comum para se aprimorar, trocar informações e compartilhar suas experiências.

Mais Colunas