Pessoas

Disciplina: o que devo priorizar ou não para atingir meus objetivos

29/02/2016 • por Carolina Rezende

A nossa colunista Carol Rezende dá dicas do que é preciso fazer para ser disciplinado nos negócios e na vida

Quantas vezes você refez aquela velha promessa de ano novo? Emagrecer, fazer exercícios, mudar o rumo da carreira… O que acontece que, passada a euforia das festas, nossos planos e entusiasmo se perdem em meio à rotina e afazeres diários? Sem nos darmos conta, entramos no looping - desejo de mudança, empolgação imediata, loucura do dia-a-dia, perda de energia... e, tão logo ele se repete precisamos lidar com a frustração de não ter alcançado aquilo que almejamos. Dentre tantas qualidades importantes que contribuem para a nossa realização pessoal ou profissional estou certa de que uma delas é fator determinante para sucesso sustentável e de longo prazo: a disciplina.

Auto-disciplina é uma competência tão importante que grandes empresas como HP, Boeing e Toyota adotaram a Metodologa 5S - ferramenta que ajuda no desenvolvimento pessoal e tem como base cinco palavras de origem japonesa onde as iniciais dão nome ao programa: Seiri, Seiton, Seiso, Seiketsu e Shitsuke. Cada uma delas busca despertar nas pessoas diferentes sensos de responsabilidades: senso de utilização, organização, limpeza, saúde e autodisciplina.

Não é a toa que a autodisciplina é o último senso da metodologia. Ela é a responsável por garantir o cumprimento dos demais pilares, é ela quem traz ao indivíduo hábitos e padrões que serão responsáveis pelo seu desenvolvimento pessoal e profissional. Trata-se de um comprometimento único que só acontece quando cada pessoa internaliza determinados conceitos.

E quais são as principais características de pessoas disciplinadas? Em primeiro lugar é a capacidade que elas têm de definir suas metas não apenas de maneira clara e direta, mas principalmente, de estipular objetivos que tenham um sentido pessoal e íntimo.

São mais do que apenas tópicos riscados numa folha de papel, são propósitos que estão ligados a valores e referências que elas acreditam. Dessa forma, uma pessoa altamente disciplinada não perde seu tempo debatendo questões que a faça perder seu foco, e tende a tomar decisões positivas com mais facilidade.

Por ter seus objetivos sempre em mente, o auto-disciplinado não se deixa levar por impulsos ou sentimentos. Suas decisões são ditadas por motivos racionais que já fazem parte da sua realidade e, dessa forma, não se estressam ou se chateam com tanta facilidade.

Assim como outros comportamentos importantes para o empreendedor de sucesso, a disciplina pode ser aprendida por meio da prática e repetição diária. Veja abaixo algumas dicas:

Metas

Determine o que é realmente importante pra você. Quais são suas metas para essa semana, esse mês, esse ano? Elas fazem sentido pra você? Estão intimamente ligadas aos seus valores pessoais e ao que você acredita ser o melhor caminho? Aqui vale a pena explorar o conceito SMART - definir um objetivo específico (Specific), mensurável (Measurable), atingível (Achievable), relevante (Relevant) e com prazo definido (Time based).

Saiba definir as prioridades

Defina suas prioridades e tenha uma rotina baseada em tarefas que estejam diretamente ligadas ao propósito de alcançá-las. Nesse texto aqui dou algumas dicas sobre isso: Não sabe definir prioridades? Carol Rezende dá 3 dicas de como se organizar

Não desvie a sua direção

Isso é inegociável! Não permita se desviar do caminho. Os seus objetivos são seus e eles devem  ser inegociáveis. Você os traçou e determinou que eles são importantes para sua felicidade. Então não se deixe perder para não entrar no looping que falamos no início do texto que leva à frustração de ter que recomeçar infinitas vezes.

Compromisso

A responsabilidade é sua. Traga para si o compromisso de realizar. Pessoas disciplinadas sabem que o sucesso é fruto do seu esforço e que quando deixam seus objetivos à própria sorte, eles se perdem facilmente em meio a desculpas.

Pesquisando a origem semântica da palavra disciplina, descobri que ela vem do latim discipulus. Discípulos de uma religião acreditam em suas crenças e as aplicam no seu dia-a-dia. Ser discípulo de uma causa é incorporá-la na sua vivência, nas suas atitudes. Então por que não ser discípulo da sua causa? Dos seus objetivos? Daquilo que você acredita ser melhor pra você e para quem você quer bem? Seguir a liberdade de fazer suas próprias escolhas e tê-las como propósito todos os dias em que levanta da cama. Quando definimos com clareza nossos objetivos e os levamos adiante nos tornamos discípulos das nossas causas, fazemos o que for necessário para atingi-las, com toda a disciplina que o desafio exige para aquilo que você determinou e acreditou ser o melhor caminho.

Comentários

Quem escreve

Carol Rezende é publicitária e, ao longo de 12 anos, construiu sua carreira na iniciativa privada, trabalhando na área de telecomunicação e, posteriormente, no Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF. A maternidade despertou a vontade de seguir novos rumos profissionais. Foi quando, a partir da sua própria necessidade, criou o Mulher de Negócio e nele visualizou a oportunidade de alavancar e articular mulheres que vivem os desafios de empreender e que não tinham um espaço comum para se aprimorar, trocar informações e compartilhar suas experiências.