“A falta de dinheiro no bolso do empresário, em geral, é pela má gestão da empresa, pela falta de conhecimento do que fazer, para onde olhar, em que indicadores precisa se basear”.


A cultura do Brasil no que se refere à educação financeira pessoal e corporativa ainda é pouco disseminada, o que reflete em inúmeras organizações com potenciais de quebra em seus primeiros anos de operação. Uma maneira de atenuar esses desafios é a gestão financeira de maneira consciente e contínua, em que há a disponibilidade e interesse por parte do empreendedor em acompanhar seu negócio nos mínimos detalhes. Isso porque é o detalhamento que revela as lacunas de gastos desnecessários e eventuais relações entre empresa e fornecedores que comprometam seu resultado.

Para tanto, é fundamental se apoiar em práticas que tornem a organização menos dependente de terceiros e mais atenta à rentabilidade de seus canais de vendas. A falta de reservas de caixa não diz respeito ao dinheiro em si, mas sim à visão sistêmica que, uma vez atuante, permitirá que o empreendedor se antecipe a esses problemas. Mais do que isso, de acordo com o professor Marcio Iavelberg, “a falta de dinheiro no bolso do empresário, em geral, é pela má gestão da empresa, pela falta de conhecimento do que fazer, para onde olhar, em que indicadores precisa se basear”, explica.

Como analisar suas despesas

• diferencie a atuação de empresas de produtos e de empresas de serviços;

• separe custos fixos e custos variáveis.

Como gerenciar a crise financeira da empresa

• revise sua cadeia de suprimentos;

• identifique os melhores canais do seu plano comercial;

• revise seus contratos;

• revise seu planejamento orçamentário.

Neste e-book que você pode baixar gratuitamente, você vai encontrar dicas práticas de como agir para sair de uma crise financeira, que reflete nada mais que o encontro de fatores internos e externos que, juntos, fazem com que ela se instale, cresça e se fortaleça. Lembre-se que a maior parte das crises não chega de uma hora pra outra, na verdade, elas já existiam, somente não eram percebidas. Que ações o empreendedor pode tomar?

  1. Identifique para quem você está devendo e quanto;
  2. Importante saber se são dívidas de curto ou longo prazo;
  3. Monte um plano de emergência e veja qual a condição de honrar os compromissos;
  4. Priorize pagamento das dívidas que tenham os maiores juros e multas ou que você corra o risco de perder o bem (casa, carro, etc)
  5. Troque dívidas caras e de curto prazo por outras com juros mais baixos e com parcelamento mais alongado;

Para dar a volta por cima e sair da crise, é preciso aplicar, definitivamente, algumas ações cruciais da gestão financeira. Quando apenas o fluxo de caixa é considerado para orientar decisões, torna-se muito mais difícil identificar o que está por trás do lucro ou prejuízo da operação. O olhar sobre a competência (período) por meio da Demonstração de Resultados do Exercício (DRE) evita erros, uma vez que apresenta um cenário realista, capaz de desmistificar a ideia de que se há dinheiro em caixa então é possível distribuí-lo aos sócios.

É fundamental elaborar um painel de controle, por meio de indicadores, a fim de acompanhar o desenvolvimento financeiro do negócio. O formato em si cabe ao empreendedor, desde que os dados sejam de fácil interpretação. Além do DRE, há outras práticas complementares que servem para blindar o planejamento financeiro da empresa:

  1. Fazer provisões e reservas;
  2. Estabelecer o fluxo de caixa diário para os próximos 90 dias;
  3. Conhecer os custos e a margem de seus produtos/serviços;
  4. Atentar-se aos prazos de recebimento, pagamento e estoques.

Será que clareou um pouco? Não deixe de baixar agora mesmo o e-book de gerenciamento de crises financeiras, você vai ver que medidas básicas, mas essenciais no mundo financeiro podem salvar seu negócio antes mesmo de uma crise chegar. Aprenda em “Plano de Contingência” mais sobre gerenciamento de crises financeiras com o meuSucesso. Experimente grátis por 7 dias!

Aline W de Paula