Pessoas

Mudança de rota – será?

7/10/2014 • por Sofia Esteves

Mudar de área é sempre um desafio e é preciso coragem e humildade para recomeçar

Há algum tempo contratei para minha equipe uma profissional bastante vivida, mas pouco experiente. Como assim? Ela tinha acabado de mudar de carreira.

A profissional tinha passado por diversas empresas renomadas, recebido muitas honras e chegado ao posto de Diretora de Marketing. Até o dia em que percebeu que seu barato mesmo era desenvolver pessoas. Pediu demissão e veio bater na nossa porta, a fim de aprender tudo que existia sobre treinamento e desenvolvimento de gente. Além disso, fez um MBA em RH pra encorpar seus conhecimentos na área. Na paralela, ouvia, “fuçava”, perguntava e aprendia pelos quatro cantos da empresa. 


Para alguém que estava acostumada a entregar, brilhar, a ser reconhecida como autoridade no assunto, começar “do zero” era um desafio. Mas, nesse caso, ela teve humildade suficiente para reconhecer que a história - a partir daquele momento - precisaria ser reescrita. 
Se você está cansado do que faz e acha a área ao lado mais interessante, tenho que dizer que você precisará – em primeiro lugar - de muita coragem. Coragem principalmente para abrir mão do sucesso que teve até o momento.


Minha segunda recomendação é “prepare-se”. Não troque de atividade sem fazer uma extensiva pesquisa antes. A internet, os amigos, os livros e a sua rede de contatos servem pra isso. Entenda se o que você acha sobre o emprego dos sonhos é real. Mudar de carreira dá trabalho, leva tempo e um movimento errado pode ser “fatal”, quando se pensa na carreira em longo prazo.


Outra coisa importante a se pensar é que ao iniciar uma curva de aprendizado completamente nova, a sua curva salarial pode eventualmente não acompanhar a sua expectativa inicial. Há quem mude de carreira pra ganhar diferente (como pessoa jurídica, por exemplo), pra ficar um tempão sem ter aumento ou pra ganhar menos mesmo. Por isso, é super importante ter clareza sobre seus objetivos, já que ganhar menos é coisa para quem realmente sabe o que quer e está disposto a chegar lá com determinação e paciência.


Depois da mudança, se você já estiver ocupando uma posição mais sênior na hierarquia, corra atrás do prejuízo. Os seus “pares” em tempo de experiência ou cargo, provavelmente conhecerão mais sobre o negócio do que você. Será como ter três empregos: fazer o que tem para fazer hoje, conhecer o que já foi feito no passado e pensar no que vai fazer no futuro. É, tudo junto e misturado mesmo, como se diz por aí.


Outra dica que eu acho superválida é “recicle suas experiências e seu repertório”. Ninguém da área de Marketing vai querer saber detalhes do projeto XYZ que você desenvolveu quando era um bam-bam-bam. Compartilhe somente os conhecimentos que possam ser diretamente aplicados à nova realidade. 
Ok. Você deve estar se perguntando: “poxa, mas nada do que eu acumulei poderá ser aproveitado nesse novo cenário?”. Experiência traz senioridade e senioridade sempre agrega, traz foco e objetividade a qualquer contexto. Outro ponto importante também são as habilidades comportamentais. Elas sempre são e serão aproveitadas. Pense nas vivências que teve na sua antiga carreira, naquilo que conseguiu desenvolver e em que se tornou realmente bom: liderança de pessoas, trabalhar com estilos diferentes, negociação, trabalho em equipe, capacidade de influência, etc. Elas serão sua principal alavanca, suas verdadeiras vantagens competitivas.


É eu sei. Essa mudança não é nada fácil. Mas, de verdade, não há nada melhor do que fazer o que se ama. Achar todos os dias um sentido, além do salário ou do faturamento no final do mês para ir à luta. Sejamos práticos: hoje todo mundo trabalha muito, longas horas, desafios complexos...Por que então desperdiçar todo esse tempo e energia em uma coisa que não te realiza, que não te completa? Pra mim, não faz sentido. Então agora eu que pergunto: não vale a pena encarar esse desafio e ir ao encontro do que faz seus olhos brilharem?

Sofia Esteves, Fundadora e Presidente do Conselho do Grupo DMRH (marcas DM e Cia de Talentos)

Comentários

Quem escreve

Sofia Esteves

Presidente do Conselho em Grupo DMRH /Cia. de Talentos

Fundadora e presidente do Conselho do Grupo DMRH, compartilha neste espaço o que há de mais novo em carreira e gestão de pessoas. Ideias, reflexões e tendências para impulsionar o desenvolvimento pessoal dos empreendedores e de sua equipe.